Quarta-feira, 7 de Março de 2007
O estado da EDUCAÇÃO

Em jeito de comentário ao comentário de Robin na última semana, três notas:

  1. Falar em classe dos professores não faz muito sentido em Portugal, uma vez que o único ponto em comum dos milhentos professores neste país é a designação. Os inúmeros sindicatos, a desunião patente, o exercício de distintas funções são sinais inequívocos de uma classe (com o sentido de grupo de profissionais) que não existe verdadeiramente.
  2. Robin opta por um comentário em surdina, usando adjectivos como breve comentário, pequena crítica e o diminutivo mundinho. É verdade que não tem razão quem fala mais alto, mas, de há uns tempos para cá, quer aqueles que atacam os professores e as suas regalias, quer aqueles que julgam que os professores carregam nas costas a ingratidão de uma sociedade que endeusa a actuação deste governo no que concerne às questões da educação esgotaram os argumentos e gritam cada vez mais alto com a vã esperança de ver a razão cair para o seu lado.
  3. É confrangedor o estado da educação em Portugal e parece que todos têm um palpite a dar (muitos sem a menor ideia do que se passa no interior de uma escola). Num espaço de quinze anos foram imensas as mudanças, ou, com maior rigor, os remendos, e a educação necessita de uma verdadeira reforma que coloque um ponto final à insolência e inércia dos alunos, à passividade dos professores e à ausência dos encarregados de educação.


publicado por Zorro Danado às 18:14
link do post | comentar | favorito

7 comentários:
De Robin a 8 de Março de 2007 às 09:56
Um artigo que não critico pois concordo com o que escreves.


De Anónimo a 8 de Março de 2007 às 17:12
Quando não se sabe não se critica. Tens toda a razão, Robin. Serás Robin dos Bosques ou da Mata?


De Susana Campos a 8 de Março de 2007 às 17:12
Quando não se sabe não se critica. Tens toda a razão, Robin. Serás Robin dos Bosques ou da Mata?


De Robin a 12 de Março de 2007 às 10:50
Resposta apenas e exclusivamente para a minha "querida" Susana Campos, mas claro que todos estão convidados a comentar o mesmo, principalmente professores e de preferência professores "frustrados". Aproveito para relembrar o meu comentário ao artigo do Zorro Danado:
"Um artigo que não critico pois concordo com o que escreves."
A palavra "concordo" significa (Fonte: www.infopedia.pt):
1. estar de acordo;
2. ter concordância;
3. condizer;
Daí ter ficado surpreendido com o comentário da minha "querida" Susana Campos, "Quando não se sabe não se critica", ou seja, só se critica quando se quer dizer mal de algo? Será que a critica positiva existe na linguagem do docente?
É verdade que não sou professor minha "querida" Susana Campos e devo confessar que és das pessoas mais inteligentes com quem me deparei nos últimos tempos. Ter a coragem de escrever que "pois não estás minimamente dentro do que realmente é a educação e as drásticas mudanças que a Senhora Doutora ministra tem vindo a preconizar." após teres lido perto de 50 palavras escritas por mim é obra. Deves estar possivelmente num patamar superior para te dares ao luxo de fazeres estas afirmações.
Aliás, estou com bastante medo da tua reacção a este comentário pois a tua capacidade de análise assusta-me. Será que os teus alunos têm capacidade para te acompanhar o raciocínio?
Volto a insistir para sairem do vosso "mundinho" e abrirem um pouco as "palas" que têm à frente dos olhos. O mundi não gira à vossa volta e vocês não são mais nem menos que os outros ...
Os meus "saudosos" cumprimentos minha "querida" Susana Campos


De Flyweasel a 8 de Março de 2007 às 10:48
O estado da educação de hoje muito deve aos anos de vacas gordas em que ser professor e ensinar era um estatuto e não um dever... para o qual contribuíram, sem dúvida, muitos que não sendo professores de formação optaram por esta carreira apelativa, e muitos que optaram pelo ensino para fugir à "bandida matemática"... Perdoem-me os que não se encontrem nesta situação... Posso estar a generalizar, mas a amostra a que me refiro tem algo de incómodo...


De Susana Campos a 8 de Março de 2007 às 17:10
Olá Zorro Danado!
Sem dúvida concordo contigo, tens o dom da palavra.
Quanto a ti Robin aposto que não és professor, pois não estás minimamente dentro do que realmente é a educação e as drásticas mudanças que a Senhora Doutora ministra tem vindo a preconizar.


De Beterraba a 9 de Março de 2007 às 16:40
1 - Se falar em classe de professores faz pouco sentido, a culpa não é concerteza do governo. A história tem demonstrado que é nos momentos difíceis que as pessoas se unem em prol de objectivos comuns. (Até) Nisso os professores são diferentes, porque quanto mais se degrada o estatuto, maior é a divisão e a proliferação de movimentos em jeito de “meia dúzia por si”.
2 – Aborda-se este tema com pomposas designações, como a que titula este post , de Estado da Educação, quando na verdade o que vejo discutir é o “estado” do professor. Já estão a dar murros na mesa e a dizer que são indissociáveis, facto com o qual concordo apenas em parte, contudo em toda esta exposição pública de centenas de horas e páginas ocupadas nos meios de comunicação, só falam (os professores) nos ataques à “classe” e não em medidas para melhorar o sistema educativo.
3- Li aqui em comentário nas “drásticas mudanças” que têm vindo a ser implementadas. Há um fenómeno sociológico designado, genericamente, por Resistência à Mudança. No meu entender grande parte da explicação desta febre reaccionária passa por aqui. Há décadas que a degradação da carreira docente é uma realidade e só quando se interfere com o MAU sistema instalado é que surgem as greves, manifestações, indignações, etc...
4 – Os tempos de mudança e de reestruturação não são algo exclusivo dos professores, todo o mercado laboral está a adaptar-se às novas realidades: excesso de oferta de mão-de-obra, dificuldades no 1º emprego, desemprego, salários baixos; portanto tirem lá a cabeça debaixo da areia senão ainda cai para dentro.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

PJ emergiu «to bring us h...

Prince - «Some say a man ...

Colheita de 2015 - I

Sacrifício, garantias, ca...

Colheita de 2014 (apêndic...

Colheita de 2014 (uma som...

A chuva, um homem saudáve...

Brasil 2014 - notas mais ...

2 breves notas (ainda a r...

As diferenças que permite...

arquivos

Junho 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Junho 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

blogs SAPO
subscrever feeds