Segunda-feira, 12 de Março de 2007
A reboque

A amargura de ZD, caro Beterraba, é moderada, embora as manhãs de domingo não sejam propriamente doces, e a ironia de Mea culpa resulta de alguma experiência nos meandros da educação.

A questão central será a mediania de uma sociedade que se deleita com a degradação da imagem do professor, acreditando que o novo estatuto da carreira docente será uma lufada de ar fresco no sistema educativo. O mais importante na avaliação de qualquer profissão é saber distinguir o mérito do oportunismo, e isso não é garantido por este novo estatuto.

Mas avancemos, e aí, de acordo, o professor é apenas uma das questões do sistema educativo e a nossa ministra acordou agora para a questão do aluno e respectivo estatuto. Mais uma vez foi necessário o alarido da comunicação social para o governo se aperceber que há educação para além dos professores e o clima de muitas escolas é insustentável, surgindo amiúde os alunos não como fulcro do processo pedagógico mas como ameaça à integridade física de professores e auxiliares educativos. A ministra reagiu a reboque das últimas notícias e apontou a necessidade de remendar o estatuto do aluno. Ou seja, tal como na questão da TLEBS (é proveitoso conhecer o significado destas siglas manhosas), o ministério da educação está mais atento à comunicação social do que à realidade das escolas.



publicado por Zorro Danado às 17:14
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Beterraba a 14 de Março de 2007 às 15:35
Meu caro ZD , a mediania da sociedade não deriva de nenhum sector em particular, é apenas o reflexo dum conjunto de que todos fazemos parte. De qualquer forma penso que a sociedade, ou pelo menos eu próprio, está mais preocupada com o contributo que muitos dos professores dão para a degradação da sua própria imagem. Esta é uma área profissional em que por razões históricas, políticas e sociais (já por aqui foi referido), acabou por aglutinar um conjunto de pessoas sem vocação, capacidade ou até mesmo vontade de desempenhar com profissionalismo o seu papel.
Acredito sinceramente (sem ironia) que no conjunto as “maçãs” boas são a grande maioria, contudo a voz das podres, como em qualquer outra profissão, acaba sempre por receber um maior destaque.
Quanto à ministra ir a reboque do “alarido da comunicação social” embora discorde não me causa estranheza, esperar que exista concertação quando ainda nas últimas negociações estiveram presentes 14 organizações sindicais ( http :/ www.fenprof.pt /), é utopia. Dizer que a ministra não ouve os professores quando eles próprios não se ouvem uns aos outros e, pelo contrário, guerreiam entre si protagonismo e exposição pública, parece-me no mínimo ridículo.
Enquanto as negociações estiverem politizadas, sobretudo pela Fenprof /CGTP e FNE /UGT, quem garante o seu futuro são as milhares de pessoas que compõem este panorama único na realidade socioprofissional portuguesa (eventualmente ter-me-ão escapado alguns):

Associação Sindical de Professores Licenciados ASPL )
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Meu caro ZD , a mediania da sociedade não deriva de nenhum sector em particular, é apenas o reflexo dum conjunto de que todos fazemos parte. De qualquer forma penso que a sociedade, ou pelo menos eu próprio, está mais preocupada com o contributo que muitos dos professores dão para a degradação da sua própria imagem. Esta é uma área profissional em que por razões históricas, políticas e sociais (já por aqui foi referido), acabou por aglutinar um conjunto de pessoas sem vocação, capacidade ou até mesmo vontade de desempenhar com profissionalismo o seu papel. <BR>Acredito sinceramente (sem ironia) que no conjunto as “maçãs” boas são a grande maioria, contudo a voz das podres, como em qualquer outra profissão, acaba sempre por receber um maior destaque. <BR>Quanto à ministra ir a reboque do “alarido da comunicação social” embora discorde não me causa estranheza, esperar que exista concertação quando ainda nas últimas negociações estiveram presentes 14 organizações sindicais ( http :/ www.fenprof.pt /), é utopia. Dizer que a ministra não ouve os professores quando eles próprios não se ouvem uns aos outros e, pelo contrário, guerreiam entre si protagonismo e exposição pública, parece-me no mínimo ridículo. <BR>Enquanto as negociações estiverem politizadas, sobretudo pela Fenprof /CGTP e FNE /UGT, quem garante o seu futuro são as milhares de pessoas que compõem este panorama único na realidade socioprofissional portuguesa (eventualmente ter-me-ão escapado alguns): <BR><BR>Associação Sindical de Professores Licenciados ASPL ) <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SEPLEU</A> - Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SINAPE</A> - Sindicato Nacional dos Profissionais da Educação <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SINDEP</A> - Sindicato Nacional e Democrático dos Professores <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SINDLEP</A> - Sindicato dos Delegados e Subdelegados Escolares <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPLIU</A> - Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades <BR class=incorrect name="incorrect" <a>FENPROF</A> /CGTP <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPM</A> - Sindicato dos Professores da Madeira <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPRA</A> - Sindicato dos Professores da Região dos Açores <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPRC</A> - Sindicato dos Professores da Região Centro <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPZS</A> - Sindicato dos Professores da Zona Sul <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPN</A> - Sindicato dos Professores do Norte <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPE</A> - Sindicato dos Professores no Estrangeiro <BR class=incorrect name="incorrect" <a>FNE</A> UGT <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPZN</A> - Sindicato dos Professores da Zona Norte <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPZC</A> - Sindicato dos Professores da Zona Centro <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPGL</A> - Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPGL</A> - Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa – Santarém <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPGL</A> - Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa – Setúbal <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPSul</A> - Sindicato Democrático dos Professores do Sul <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDP</A> Madeira - Sindicato Democrático dos Professores da Madeira <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDP</A> Açores - Sindicato Democrático dos Professores dos Açores <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPCL</A> – Sindicato dos professores nas comunidades lusíadas <BR>


De Beterraba a 14 de Março de 2007 às 15:38
Meu caro ZD , a mediania da sociedade não deriva de nenhum sector em particular, é apenas o reflexo de um conjunto de que todos fazemos parte. De qualquer forma penso que a sociedade, ou pelo menos eu próprio, está mais preocupada com o contributo que muitos dos professores dão para a degradação da sua própria imagem. Esta é uma área profissional em que por razões históricas, políticas e sociais (já por aqui foi referido), acabou por aglutinar um conjunto de pessoas sem vocação, capacidade ou até mesmo vontade de desempenhar com profissionalismo o seu papel.
Acredito sinceramente (sem ironia) que no conjunto as “maçãs” boas são a grande maioria, contudo a voz das podres, como em qualquer outra profissão, acaba sempre por receber um maior destaque.
Quanto à ministra ir a reboque do “alarido da comunicação social”, embora discorde não me causa estranheza, esperar que exista concertação quando ainda nas últimas negociações estiveram presentes 14 organizações sindicais ( http :/ www.fenprof.pt /), é utopia. Dizer que a ministra não ouve os professores quando eles próprios não se ouvem uns aos outros e, pelo contrário, guerreiam entre si protagonismo e exposição pública, parece-me no mínimo ridículo.
Enquanto as negociações estiverem politizadas, sobretudo pela Fenprof /CGTP e FNE /UGT, quem garante o seu futuro são as milhares de pessoas que compõem este panorama único na realidade socioprofissional portuguesa (eventualmente ter-me-ão escapado alguns):

Associação Sindical de Professores Licenciados ASPL )
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Meu caro ZD , a mediania da sociedade não deriva de nenhum sector em particular, é apenas o reflexo de um conjunto de que todos fazemos parte. De qualquer forma penso que a sociedade, ou pelo menos eu próprio, está mais preocupada com o contributo que muitos dos professores dão para a degradação da sua própria imagem. Esta é uma área profissional em que por razões históricas, políticas e sociais (já por aqui foi referido), acabou por aglutinar um conjunto de pessoas sem vocação, capacidade ou até mesmo vontade de desempenhar com profissionalismo o seu papel. <BR>Acredito sinceramente (sem ironia) que no conjunto as “maçãs” boas são a grande maioria, contudo a voz das podres, como em qualquer outra profissão, acaba sempre por receber um maior destaque. <BR>Quanto à ministra ir a reboque do “alarido da comunicação social”, embora discorde não me causa estranheza, esperar que exista concertação quando ainda nas últimas negociações estiveram presentes 14 organizações sindicais ( http :/ www.fenprof.pt /), é utopia. Dizer que a ministra não ouve os professores quando eles próprios não se ouvem uns aos outros e, pelo contrário, guerreiam entre si protagonismo e exposição pública, parece-me no mínimo ridículo. <BR>Enquanto as negociações estiverem politizadas, sobretudo pela Fenprof /CGTP e FNE /UGT, quem garante o seu futuro são as milhares de pessoas que compõem este panorama único na realidade socioprofissional portuguesa (eventualmente ter-me-ão escapado alguns): <BR><BR>Associação Sindical de Professores Licenciados ASPL ) <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SEPLEU</A> - Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SINAPE</A> - Sindicato Nacional dos Profissionais da Educação <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SINDEP</A> - Sindicato Nacional e Democrático dos Professores <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SINDLEP</A> - Sindicato dos Delegados e Subdelegados Escolares <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPLIU</A> - Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>FENPROF</A> /CGTP <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPM</A> - Sindicato dos Professores da Madeira <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPRA</A> - Sindicato dos Professores da Região dos Açores <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPRC</A> - Sindicato dos Professores da Região Centro <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPZS</A> - Sindicato dos Professores da Zona Sul <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPN</A> - Sindicato dos Professores do Norte <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPE</A> - Sindicato dos Professores no Estrangeiro <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>FNE</A> UGT <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPZN</A> - Sindicato dos Professores da Zona Norte <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPZC</A> - Sindicato dos Professores da Zona Centro <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPGL</A> - Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPGL</A> - Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa – Santarém <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPGL</A> - Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa – Setúbal <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDPSul</A> - Sindicato Democrático dos Professores do Sul <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDP</A> Madeira - Sindicato Democrático dos Professores da Madeira <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SDP</A> Açores - Sindicato Democrático dos Professores dos Açores <BR class=incorrect name="incorrect" <a>SPCL</A> – Sindicato dos professores nas comunidades lusíadas <BR>


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

PJ emergiu «to bring us h...

Prince - «Some say a man ...

Colheita de 2015 - I

Sacrifício, garantias, ca...

Colheita de 2014 (apêndic...

Colheita de 2014 (uma som...

A chuva, um homem saudáve...

Brasil 2014 - notas mais ...

2 breves notas (ainda a r...

As diferenças que permite...

arquivos

Junho 2016

Abril 2016

Dezembro 2015

Junho 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Maio 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

blogs SAPO
subscrever feeds